terça-feira, 11 de outubro de 2011

Agora é de moda: Editorial Renda-se ao Punk

Renda-se ao Punk!


Editorial de moda que busca mesclar dois aspectos elementais da cidade: o artesanal ao urbano, misturando renda, bordados e chita à elementos da cultura punk/rock urbana com muita diversão!















FICHA TÉCNICA

Produção:
Adelita Monteiro
Amanda Bueno
Angélica Oliveira
Sálvia Braga

Fotógrafo: Lucas Menezes (flickr.com/lucasbrce)
Modelo: Joicy Monteiro (vitageguide.blogspot.com)

Locação: 
Oficina seu Cabral

Roupa:

Loja Maria, Maria na Emcetur
Lidebergue Fernandes
Acervo produtoras


quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Conhecem esses aí?

Pra não dizer que deixei o blog abandonado, aí uma piadinha interna sobre acontecimentos no Benfica:

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Tupac Amaru



(...) Enquanto este livro era produzido, Tupac morria em consequência de ferimentos à bala recebidos quando assistia à luta de boxe entre Mike Tyson e Bruce Seldon, em Las Vegas. Ele foi  atingido enquanto dirigia um carro onde também estava o co-fundador e presidente de Death Row Records(...). Mesmo que ele se gabasse da vida dura no bairro, levasse "vida de bandido" e ostentasse tatuagens de metralhadoras AK-47 no abdômem, seu sucesso "Dear Mama", indicado para o Grammy em 1995, era uma balada cheia de ternura, escrita para sua mãe. A mãe deTupac, Afeni Shaku, foi membro dos Panteras Negras e estava grávida de Tupac quando cumpriu pena sob acusação de planejar a explosão de lojas de departamentos e delegacias de polícia. Assim ele cantava: "Mesmo sendo viciada em crack, ela sempre foi minha raínha negra". O nome Tupac Amaru vem de um chefe inca do século XVI e significa "serpente que brilha". Tupac Amaru foi o último líder inca a ser derrotado pelos espanhóis, sendo executado em 1572. O movimento revolucionário Tupac Amaru, liderado por Nestor Cerpa Cartolini, mantém, atualmente, centenas de diplomas internacionais como reféns, na embaixada japonesa em Lima, Peru."





MCLAREN, Peter. Pedagogia Gangsta e Guetocentrismo: A Nação Hip-Hop como uma Esferas Contrapública. In Multiculturalismo Revolucionário: pedagogia do dissenso para o novo milênio. Ed. Artmed, Porto Alegre, 2000. (p.155 e 156)

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Paul Kuczynski

Vi um link de uma amiga para aquele blog listas de 10, com os trabalhos de  Paul Kuczynski
Trabalhos que criticam e tocam a alma, vale conferir alguns!








Precisa mais falar nada!





terça-feira, 23 de agosto de 2011

Sabe etnografia

Pois é, é isso aí que estou fazendo
Infeliz ou felizmente os meus pesquisados em sua maioria não sabem o que etno ou mesmo o que seja monografia,
mas apesar de estar pirando, de fechar os olhos e ver veludos,
estou me divertindo também com tudo isso
e hoje, quero postar aqui as fotos que fiz na Biruta
tentei ao máximo preservar identidades, não divulgar as fotos em meus perfis, facebook e tal,
mas coloco aqui porque sei que a maioria dos visitantes são desconhecidos e nem sequer moram na cidade
E essa etapa da pesquisa foi feita no show da banda Facção Central, na Biruta. Favela Crew desceu em peso! Cyclonizados total!







Tem muito mais, mas por hoje é só






domingo, 14 de agosto de 2011

Sainha da Cyclone e pesquisa

Tá rolando essa semana a minha pesquisa sobre a Cyclone na loja Pranchão do North Shopping
Desde sexta-feira passo alguns períodos por lá e fazendo entrevista quando alguém se disponibiliza
Quero agradecer a todos os vendedores que são gente boa e ao gerente de lá que me liberou para pesquisar

Esses aí são são dois dos vendedores, o Washington e a Linda
E convido a todos que apareçam por lá por esses dias pra contribuir ou pra ver as roupas de surf que têm por lá, não só Cyclone, mas Smolder, Cilindro, Maresia, Quicksilver...


E aí eu experimentando uma sainha da Cyclone!
Não resisti!
Como vou falar de um objeto sem conhecê-lo, sem experimentá-lo?
Então, vestindo a sainha pude perceber
1- que ela é muuuito curta!!
2- que ela é muito pequena!!(normalmente visto tudo P e a M ficou bem apertada em mim)
3 - que ela é confortável
4- que o material é de boa qualidade
5- que eu em senti outra pessoa com ela
6- que ela provoca o desejo de alguém facinho, facinho

É, fiquei até com vontade de comprar a sainha. Claro, não faria parte do figurino da Sálvia, mas curti, como na montagem de um personagem, de vestir esse figurino. O problema é a grana - 100 continho... 




sexta-feira, 12 de agosto de 2011

TV Universitária com design de moda e filminhos....


Matéria da UFC TV sobre o curso de design de moda, participações no Dragão Fashion e vídeos "Fortaleza de todos os sentidos"

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Divas

Hoje coloquei no lay-out uma foto "muito" "demais" da Patti Smith
e aí me deu vontade de celebrar algumas divas
E to vendo que pra diva tanto faz morrer cedo, estar viva ou morrer tarde - a imagem eterna é a da juventude
vão aí algumas das gatas que me inspiriram, que te inspiram, que inspiram o mundo todo, ou algumas dessas alternativas aí...entendeu?

Patti Smith
Primeiro a gata que figura o mural ali em cima
Nem bonita ela é - é muita atitude!

Amy Winehouse
Desculpa, já virou clichê,
mas como vou falar de musas e atitude sem falar dela?

Debbie Harry
Oia a blusinha aí sem sutiã e arrasando!
Olhar de diva total, aprendam aí!

Kelly Cyclone

Desculpa aí, mas não podia perder essa!
Não é musa pra você?
Pois pra mim ela é sim, ainda morreu cedo, que é coisa de diva!
E tu, duvido que tenha metade do estilo dela!
Estilo perifa arrasando!

Brigitte Bardot
e a coitada ainda tá "ficando triste, velha e sozinha" Tom Zé

Kate Moss
precisa falar?

Penelope Cruz
Pra fechar com chave de ouro
talvez tenha esquecido muitas, mas vou lembrando e trocando a Patti







terça-feira, 9 de agosto de 2011

Balada do Louco e eu numa crise de risos

Saíndo daquela vibe down da semana passada, meu final de semana me energizou e essa é uma semana feliz
A música de hoje é uma celebração ao ato de "ser louco", do disco Mutantes e seus Cometas no país dos Baurets. Curtam a capa, curtam a música, curtam a letra e depois curtam minha crise de risos tentando falar para as câmeras


video

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Sonho, inquietude e mar

Hoje a inquietude tá tomando conta do meu dia e de mim
Tive um sonho com o Mick Jagger, ele era novinho ainda, eu o perseguia e ele ficava afim de mim, pena que acordei pra ter um dia bem puxado,
recebendo alguma pressões
prazos
cobranças de posições...
tem horas que as certezas se esvaem
e que algumas pessoas fazem uma falta enorme em nossas vidinhas
Devo ser mesmo um ser bipolar,
devo estar nas crises deprês que tenho de vez em quando
E como minha psicóloga tá de férias, apelo aqui ao blog pra botar pra fora essas angústias
que aprendi ao longo da vida que são saudáveis,
pois é diante das crises, das incertezas e dos problemas que temos a oportunidade de criar e de buscar soluções
E acho que to precisando mesmo é de tomar um banho de mar, uma água de côco e sentir a textura gostosa da areia.
Praiaa - me aguarde

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Texto de abertura da exposição do Yuri Firmeza

A primeira exposição individual do artista plástico Yuri Firmeza, intitulada Vida da Minha Vida, ainda pode ser vista no Centro Cultura BNB
Mas o que mais me chamou a atenção foi o text-abertura da exposição:

Esvaziar


Pressões que vêem de muitas partes querem fazer-nos ver vácuos onde há vazio: livros de economia e de auto-ajuda querem nos convencer de que, tornados sinônimos, vácuo e vazio devem ser superados. Assim, pela constante necessidade de seu preenchimento, o vazio tem tido suas forças evacuadas.


Também livros de arte às vezes querem nos convencer do mesmo: são várias as forças que acreditam que arte é o que deveria preencher os supostos vácuos da vida. Muitos são os artistas que então replicam perspectivas ocidentais que tornaram sinônimas - como em algumas religiões e políticas - as ideias de morte e de vazio. Tementes à morte, dedicam-se ansiosamente a preencher a vida.


Mas há outros artistas - ou não - para os quais o vazio não indica o esfalecimento do viver, mas, contrariamente, abre espaço para uma experiência mais libertária de vida. Para esses, como para a artista Lígia Clarck, o vazio não é um vácuo improdutivo, senão vazio-pleno. O "vazio-pleno" contém todas as potencialidades. "É o ato que lhe dá sentido". Diferentemente de sua versão estéril, o vácuo -, o vazio pleno está prenhe como grávidos são todos os zeros, e há que ser experimentado. É o que, à sua maneira, faz A Vida da Minha Vida, primeira experiência individual de Yuri Firmeza.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Cabeça de Porco

O tempo começa a ficar cada vez mais curto, e eu bem perto de sair da faculdade
O meu assunto para o estudo monográfico já escolhi: a Cyclone
Nunca pensei que fosse me envolver tanto e me dedicar tanto a essa pesquisa, mas o fato é que ela tem me mobilizado mesmo, com uma ação sincera. Ás vezes me comovo, me vejo compartilhando sentimentos, me abalo...
E hoje trago aqui o resultado da minha leitura do livro Cabeça de Porco, escrito a seis mãos por MV Bill, Celso Athaíde e Luís Eduardo Soares em 2005
Fui lendo sem saber ao certo se conseguiria estabelecer ligações entre minha pesquisa e o conteúdo do livro, e pude ver que sim, muitas e muitas ligações estava postas, não só em relação à minha pesquisa, mas também em relação a tantas realidades que as pessoas insistem em não querer ver

I O Rio como influência da cultura da violência



“Ele usava uma espada muito parecida com aquela que a imprensa mostrou, muitas vezes, como sendo a que matou Tim Lopes – se era mesmo, ninguém sabe. No início, achei que fosse coincidência, mas quando começamos a filmar, percebi que eles usavam as mesmas expressões do Rio de janeiro. Chamavam os inimigos de “alemão”, diziam-se do “Comando Vermelho”; seus inimigos eram nomeados “Terceiro Comando”, e muitas outras gírias totalmente cariocas eram empregadas. Ele reproduziam com precisão o dialeto das favelas cariocas.Era a primeira vez  que tínhamos visto um caso como esse, parecia que os comandos do Rio de janeiro tinham franchaises espalhados por lá.

Ali eu vi claramente o quanto a televisão contribui e contribuiu para a nacionalização da criminalidade; como a televisão massifica e acaba estimulando as pessoas a fazer o que se estampa na tela. Não estou dizendo que aquele cara seja bandido por causa da TV, estou dizendo que a forma como as TVs divulgam as notícias acaba sendo a maior fonte de alimentação para esses jovens, que já têm tendências sociais a essas práticas a partir de seu desejo e de suas limitações. A TV consolida a informação e as posições deles. Pior que isso, as TVs não somente fazem as matérias de forma equivocada – considerando-se o ponto de vista do qual observo a situação, claro-, como também colaboram pra manutenção e ampliação do problema, ao desenvolver campanhas de propaganda que giram em torno da valorização de sexo, status e poder(...)”
(Uma Noite em Joinville, por Celso Athaíde, p.55)


“Com os olhos comecei a procurar aquele que poderia ser o “patrão” do morro. Até que deparei com um maluco branco, alto, meio banhoso, com cara de 18 anos no máximo. Ele tinha em uma das mãos um baseado da grossura de um dedo e do tamanho de uma caneta. Tinha cabelo rasteiro e usava costeleta. Bermuda da Cyclone, meias pretas, tênis Adidas Cooper, camisa cinza com estampa da foto do Mike Tyson. Levava na cintura uma espada dentro de uma bainha(...)”
(Curitiba: nos fundos da cidade modelo, por MV Bill, p.63) 
E a onda da Cyclone começou mesmo nos morros do Rio de janeiro e se espalhou pelo resto do Brasil, talvez reflexo dessa referência que é o Rio de Janeiro como fonte propagadora dessa cultura.

II A invisibilidade

“Um jovem pobre e negro caminhando pelas ruas de uma grande cidade brasileira é um ser socialmente invisível. Como já deve ser bastante claro a esta altura, há muitos modos de ser invisível e várias razões para sê-lo. No caso desse nosso personagem, a invisibilidade decorre principalmente do pré-conceito e indiferença. Uma das formas mais eficientes de tornar alguém invisível é projetar sobre ele ou ela um estigma, um preconceito. Quando o fazemos, anulamos a pessoa e só vemos o reflexo de nossa própria intolerância. Tudo aquilo que distingue a pessoa, tornando-a um indivíduo; tudo o que nela é singular, desaparece. O estigma dissolve a identidade do outro e a substitui pelo retrato estereotipado e a classificação que lhe impomos.
Quem está ali na esquina não é o Pedro, o Roberto, a Maria, com suas respectivas idades e histórias de vida. Quem está ali é o “moleque perigoso” ou a “guria perdida”, cujo comportamento passa a ser previsível. Lança sobre uma pessoa um estigma correspondente a acusá-la simplesmente pelo fado de ela existir. Prever seu comportamento estimula e justifica a adoção de atitudes preventivas. Como aquilo que se prevê é ameaçador, a defesa antecipada será a agressão ou a fuga, também hostil. Quer dizer, o preconceito arma  o medo que dispara a violência, preventivamente
(Invisibilidade, reconhecimento e a fonte afetiva do crime, por Luís Eduardo Soares, p. 175)

III Identidade

“Identidade é uma palavra enigmática: por um lado, significa a originalidade de alguém, a singularidade que torna cada pessoa incomparável e única; por outro lado, adquire o sentido oposto ao designar a semelhança que aproxima duas pessoas (...) ”
"(...) criamo-nos a nós mesmos na interações, seja em conformidade com os outros, seja em contraste com eles.”
“Numa direção ou noutra, a identidade para os jovens é um processo penoso e complicado. As referências positivas escasseiam e se embaralham com as negativas. A construção de si é bem mais difícil que escolher uma roupa, ainda que analogia não seja de todo má, uma vez que o interesse por uma camisa de marca, pelo tênis de marca, corresponde a um esforço para ser diferente e para ser igual, para ser diferente-igual-aos-outros , isto é, daqueles que merecem a admiração das meninas( e da sociedade ou dos segmentos sociais que mais importam aos jovens – o que também varia, é claro). Roupas, posturas e imagens compõem uma linguagem simbólica inseparável de valores."
 “(...) A identidade só existe no espelho e esse espelho é olhar dos outros, é o reconhecimento dos outros. É a generosidade do olhar do outro que nos devolve nossa própria imagem ungida de valor, envolvida pela aura de significação humana, da qual a única prova é o reconhecimento alheio. Nós nada somos e valemos nada se não contarmos com o olhar acolhedor, se não formos vistos, se o olhar do outro não nos recolher e salvar da invisibilidade – invisibilidade que nos anula e que é sinônimo, portanto, de solidão e incomunicabilidade, falta de sentido e valor. Por isso construir uma identidade é necessariamente um processo social, interativo, de que participa uma coletividade e que se dá  no âmbito de uma cultura e no contexto de um determinado momento histórico.”
“Assim como não inventamos uma linguagem, individualmente, assim como não há linguagem privada, tampouco há identidade de um homem-ilha, de uma mulher-ilha, apartada de toda e qualquer ralação humana. Nos jogos de olhares, palavras e sentimentos, trocamos sinais e mais sinais, pelos movimentos do corpo e as expressões do corpo. Estamos imersos em florestas de símbolos, como dizia Baudelaire, e somos seres de linguagem, como a filosofia, a antropologia e a psicanálise nos ensinaram. Toda linguagem é material e datada, é construção humana coletiva, em permanente mudança. Por conseqüência, sendo a identidade uma experiência da relação, que se dá na esfera da intersubjetividade, dos símbolos das linguagens, da cultura, ela é sempre uma experiência histórica e social.”
(Identidade em Obras I: Adolescência, por Luís Eduardo Soares, p. 205 a 207)

IV O Brasil e a realidade da guerra

Curioso e paradoxal é que, no Brasil, para os jovens pobres, não há adolescência: salta-se direto da infância ao mundo do trabalho (ou do desemprego). É mais ou menos o que acontece, em nosso país, com as etapas e o processo civilizatório. Parece que estamos vivendo uma regressão, em alguns aspectos, da qual resulta a convivência entre etapas históricas diferentes, cada uma com suas características sociais e culturais: hoje, no Brasil,  os homens não são treinados apenas para a guerra e os valores dominantes na socialização dos meninos não são valores ligados à guerra. Será? Em certa medida, com a ascensão vertiginosa da violência e do desemprego no quadro de estagnação econômica e aprofundamento das desigualdades, com o ingresso cada vez mais precoce dos jovens na economia informal, será que estamos gestando um híbrido tropical muito peculiar, com mais ingredientes tradicionais da cultura masculina belicista e menos elementos da modernidade ocidental européia em que forjamos, como nação?(...) não estamos combinando no Brasil, traços avançados da democracia participativa com a supressão a galope da adolescência e a revalorização da moralidade guerreira tradicional?
(Identidade em Obras II: Adolescência e a problemática ardilosa das “causas” da violência,  por Luís Eduardo Soares, p. 208 a 211)
Ele estava me pedindo muita coisa: tênis da moda, roupa da moda, essas coisas. Eles pedem, todos eles pedem(...) Hoje em dia, não tem mais bicicleta para o menor, eles querem moto. Se eles entram para o tráfico, eles conseguem a moto. E eles conseguem isso com muita facilidade.
(...) como se olha, vivendo numa comunidade que só tem vagabundo que foi criado com a gente desde pequeno, cresceu, escolheu o outro lado. Como é que a gente vai deixar de falar com essas pessoas? Se eu moro aqui. Não tem como, eles vão ser meus amigos até morrer. Não foram eles que escolheram essa vida. Tenho diferença com eles, mas é uma opção de vida, é um meio de vida. Eles não estão ali porque gostam, porque ninguém gosta de ficar sem dormir, sofrer, correr da polícia. É uma opção de sobrevivência. Todos eles têm família. Se eles pudessem, saíam.
A televisão atrapalha muito, sabia? Mostrando as coisas que acontecem. Meu filho acha bonito aparecer como um cara perigoso pras comunidades, pra polícia.(...)
O que estimula mais ele, não é o dinheiro não, é mais ele poder aparecer. Mostrar quem é, mostrar que pode, entendeu?
É também a pressa de ganhar dinheiro. Hoje em dia, a evolução do mundo está rápida, muito rápida. Os meninos ficam sabendo desses corruptos que roubam milhões do INSS. E nada acontece. Quem vai querer uma vida de trabalho duro e honesto?
A televisão mostra muita coisa errada. A gente vê cada coisa bárbara na televisão. Isso aí serve de exemplo pros pequenos; eles acham que é fácil: os grandões fazem e não dá nada, vou fazer também. Querem ver um meio mais rápido de ganhar dinheiro. Tudo é a facilidade de ganhar dinheiro.
(Labirinto, depoimento de um pai de traficante, p. 212 e 213)
V Um pedido de socorro
(...) Um dia um traficante dá a um desse meninos uma arma. Quando um desses meninos nos parar na esquina, apontando-nos esta arma, estará provocando em cada um de nós um sentimento – o sentimento do medo, que é negativo, mas é um sentimento. Ao fazê-lo, saltará da sombra que desaparecera e se tornará visível. A arma será o passaporte para a visibilidade.
Saltando para fora do escuro em que o guardamos e o esquecemos, o garoto armado readquire densidade antropológica, isto é, vira um homem de verdade. Antes, invisível, era um fantasma transparente, portador de uma carcaça porosa e imperceptível.(...) Pois agora tudo mudou. Num passe de mágica, o mundo ficou de cabeça para baixo: quem passava sem vê-lo lhe obedece. Invertem-se as posições. Quem desfila sua soberba destilando indiferença, agora submete-se à autoridade do jovem desconhecido. Celebra-se um pacto físico: o jovem troca seu futuro, sua alma, seu destino, por um momento de glória, um momento fugaz de glória vã; seu futuro pelo acesso à superfície do planeta, onde se é visível.
Pois é aí que as instituições que dirigem a sociedade metem os pés pelas mãos. Quando seria necessário reforçar a auto-estima dos jovens transgressores no processo de sua recuperação e mudança, as instituições jurídico-políticas os encaminham na direção contrária: punem, humilham e dizem a eles: “Vocês são o lixo da humanidade.” É isso que lhes é dito quando são enviados às instituições “socioeducativas”, que não merecem o nome que têm – o nome mais parece uma ironia(...)

As instituições os condenam à morte simbólica e moral, na medida em que matam seu futuro, eliminando as chances de acolhimento, revalorização, mudança e recomeço. Foi dada a partida no círculo vicioso da violência e da intolerância. O desfecho é previsível; a profecia se cumprirá: reincidência. A carreira do crime é uma parceira entre a disposição de alguém  para transgredir as normas da sociedade e a disposição da sociedade para não permitir que essa pessoa desista(...)
(O menino invisível se arma, por Luís Eduardo Soares, p. 215 a 219)
 VI O assalto da visibilidade
Eu acho que mulher gosta de viver perigosamente; mulher gosta de uma arma; acho que é sentimento de poder.

A mina ta com o cara com o maior fuzilão, ninguém olha, ninguém mexe, ninguém fala nada(...) Nessa, ela cheia de marra, a calça é da Gang e está tipo gostosona, e ninguém se mete com ela, ela está na favela, e todo mundo fumando maconha, aquele fervo. Cheiro de maconha, vagabundo de revólver, vários carros novos chegando – Audi, Honda, Mercedes -, tudo roubado e tudo com vagabundo de fuzil, e elas estão no meio. Elas gostam disso(...)
Tu não imagina, a mulherada chega aqui de Palio zerinho, os pais são da Barra, elas moram na Barra, mas parece que não encontram lá o cara certo, e vem procurar aqui.
(Quer ganhar uma mulher? Bota um fuzil no pescoço, depoimentos de entrevistado, p.224)
O jovem pede a carteira; aponta a arma para minha cabeça e pede  a carteira. Pede, não. Ordena. Velha fórmula: a bolsa ou a vida. Leva o dinheiro. Com a grana compra um tênis de marca. Onde está a fome de sentido de valor? Onde o clamor por reconhecimento? A arma é o passaporte para a visibilidade e instrumento de auto-afirmação ou é só atalho para o cofre?
Lado B: o dinheiro obtido no assalto troca-se pelo tênis de marca, pela camisa de marca. Essa frivolidade é uma pista. A camisa com o nome e sobrenome e o tênis notabilizado pelo pedigree apontam numa direção: a grana vai para a marca, não para o calçado ou para a camisa, não para o atendimento a necessidades físicas(...)No caso, o que está em jogo, é a busca pelo reconhecimento é a busca pelo reconhecimento e valorização, a marca é o que importa; é a marca o objeto cobiçado; é ela que atende a necessidade. O vestuário (na moda) interessa como sinal de distinção, isto é, de valorização. O fetiche na moda, cumpre essa função: quem a consome deseja diferenciar-se  para destacar-se, valorizando-se – mal percebe que copia o movimento de todos, tornando-se , assim, indistinguivelmente banal. De todo modo, mesmo iludindo-se com o ardil da moda, mesmo enganando-se – como aliás, todos os jovens(e os não-tão-jovens) das camadas médias e das elites -, os jovens invisíveis copiam os hábitos dos outros para identificar-se com os outros, passando a valer o que eles valem para a sociedade. Inclusão é o sonho, respeito é a utopia. Aí esta o fio da meada que nos trouxe da grana ao símbolo(...)
Quando o jovem compra o tênis de marca ganha de brinde o ingresso no grupo – no grupo dos que reconhecem a marca e valorizam a moda de que envolve determinadas escolhas estéticas mas também, freqüentemente, algumas escolhas éticas. A moda envolve uma certa coreografia, posturas, comportamentos e uma certa agenda. Se for mais ambiciosa o como foram os movimentos hippie, punk, yuppie – envolverá até uma ideologia ou um conjunto de crenças.(...)
Todos nós nos sentimos reconfortados quando nos filiamos a algum grupo. Participar de um grupo é gratificante porque fortalece o sentimento de que temos valor e a sensação de que aquilo que pensamos e sentimos é compartilhado por outros, o que lhe revigora o valor de verdade e de correção moral. Filósofos já disseram que realidade é ilusão compartilhada. Nem é preciso ser tão radical para compreender a relevância desse apoio mútuo.
 Em geral, somos membros de vários grupos ao mesmo tempo: família, igreja, partido, sindicato, associação de moradores, clube, etc. cada entidade tem suas próprias regras de funcionamento e condições de pertencimento. Os grupos se fortalecem quando enfrentam conflitos externos a rivalidade vivida fora do grupo aproxima os membros(...)Por isso, nada com a guerra para unir(...)
Não parece lógico, portanto, que jovens invisíveis, carentes de tudo que uma participação em um grupo pode oferecer, procurem aderir a grupos cuja identidade se forja na e para a guerra? Entende-se o sucesso das facções do tráfico no recrutamento da gurizada(...)
VII As gata também pira

(...)o julgamento que importa aos meninos em armas é o veredicto das meninas(...)tudo está contido na aprovação delas, que e manifesta na bandeira do desejo e da admiração(...)
Se o desejo das gurias é o desejo dos guris(...), a história entorta quando muitas, entre elas, elegem como modelo o macho violento, arrogante, poderoso e armado(...) instaura-se um magnetismo perverso que enseja a emulação da prepotência armada. As moças, aquelas encantadas pela estetização do mal, atuam como mediadoras da violência, turbinando a adrenalina de seus pares(...)
(...)é preciso que se diga que as gurias estão se tornando mais do que meras mediadoras ou muletas que  sustentam  modelos de identificação para os guris. Elas têm assumido posições de destaque, frequentemente como protagonistas, para o bem e para o mal. Ou seja, têm matado e morrido mais, participando do crime, e têm salvado e morrido mais, participando dos esforços de paz. O que não significa  que, no mundo do crime, elas não continuem sendo oprimidas e humilhadas. O crime parece concentrar o que há de pior na sociedade: a busca do dinheiro a qualquer preço e o machismo mais despudorado e violento.
(Guris e gurias mostram suas armas, por Luís Eduardo Soares, p. 226 a 232)
 VIII Brasil que banaliza
(...) Já aludi ao fato de que assalto à mão armada seria inconcebível em outras sociedades e culturas. A sociedade brasileira banaliza o delito e se aprimora na arte de desmoralizar alguns limites que nossa própria tradição cultural reverencia, pulverizando referências, diluindo critérios, relativizando responsabilidades e sedando o espírito crítico. O dilentismo blasé com que muitas vezes lhe damos com as questões éticas consagrou uma bizarra combinação entre paternalismo e rigor punitivo.
O fato é que no Brasil, a violação dos direitos trivializou-se, a agressão é quase um capricho, a violência compara-se à frivolidades, o homicídio rotinizou-se(...) Nas vilas e favelas, a rapaziada do movimento associa armas e violência à virilidade, masculinidade e virtude pessoal(...) 
(A cultura da paz, por Luís Eduardo Soares, p. 239 e 240)
IX Lei e vítima
Para a população, crimes não são transgressões da lei pena, são violações culpáveis da lei moral(...) Como não há consenso na sociedade quanto à lei moral, a lei penal  deve ser respeitada como acordo prático possível(...)

(...) A vítima letal brasileira típica é jovem, do sexo masculino, te entre 15 e 14 anos(...) mora nas vilas, favelas ou periferias das metrópoles e, frequentemente é negra(...)
Há um déficit de jovens, entre 15 e 24 anos, na sociedade brasileira – fenômeno que só se verifica nas estruturas demográficas de sociedades que estão em guerra. Portanto, o Brasil vive as conseqüência de uma guerra inexistente e, mais que em qualquer outro, determinado setor social está pagando com a vida o preço dessa tragédia(...)
(O sentidos da violência, a criminalidade no Brasil e no Rio de Janeiro, por Luís Eduardo Soares, p. 246 a 249)


X A polícia
Os polícias? Olha, eu vejo aqui, eu sou bandido, mas se você for avaliar um polícia, você vai ter mais inquérito que qualquer marginal, porque cada mês ele mata um, todo dia ele rouba um. O salário de um policial não dá pra ele ter um Honda. Vai no posto. Dá uma olhada quanto Honda está parado lá. O que eu acho, cara, é que o sistema está podre, o sistema está todo podre,  os policiais, os deputados, os políticos. Então, eu acredito que se os políticos fossem mais cobrados não existiria essa pouca-vergonha toda aí. O político rouba, não vai preso; o polícia rouba; o polícia bota bagulho no seu bolso para te prejudicar...
(Os Polícias, depoimento de entrevistado, p.259)

XI Tristeza

(2) Celso mencionou a depressão desoladora que derruba os espíritos, nos bairros mais pobres das periferias e favelas. Canta-se em prosa e verso o Brasil zombeteiro, alegre e festeiro, que abre espaços para a felicidade, em meio até à miséria, com o futebol e o samba no pé. Nem tudo é fantasia e folclore, nessa mitologia de hedonismo tupiniquim, mas o momento exige um pouco mais de cuidado nas generalizações. As palavras de Celso, repito, são muito graves: a depressão campeia nas favelas. Estamos falando em de-pres-são. É forte o termo, e dolorosa a realidade. Cada um de nós sabe o que significa. O abatimento psíquico contamina o corpo, inibe iniciativas, arruína esperanças, reforça o medo, interpõe retraimento. Chega de folclore. Vamos reconhecer e tratar essa dor. Ela é conseqüência, mas também causa da violência. Aliás, como vimos, as conseqüências em geral se tornam causas e realimentam o círculo vicioso destrutivo e autodestrutivo. As próprias drogas; como pensá-las sem mencionar o sofrimento psíquico que produzem e de que se alimentam?


XII Como lutar nesta guerra?
Se nosso propósito é reduzir a capacidade de recrutamento do tráfico, melhor e mais realista do que tentar destruí-lo é dispor-se a competir com ele. O tráfico é um pólo de atração (...) Se o tráfico recruta, seduz, atrai, é porque oferece benefícios. Quais? Os benefícios são as evidentes vantagens materiais, como dinheiro e acesso ao consumo, e são também os bens simbólicos e afetivos, como a sensação de  importância e poder, o status , o sentimento de pertencimento a um grupo dotado se identidade – tudo isso significa valorização pessoal, reforço da auto-estima. Um bem simbólico especialmente prezado é a masculinidade, aquele tipo quase mágico de virilidade que se materializa como um diferente poder de sedução das meninas da comunidade e até dos bairros afluentes da cidade.
Às vezes qualquer emprego resolve; em geral, não é bem assim que acontece. Com freqüência, ouvi da rapaziada que não vale a pena repetir a trajetória de fracassos de sues pais. Eles não querem ser apenas pintores de nossas paredes, mecânicos de nossos carros, engraxates de nossos sapatos. Eles querem o que nossos filhos querem: internet, música, arte, dança, esporte, cinema, mídia, tecnologia de última geração, criatividade(...)
Quando (...)proporcionam aos jovens das periferias e favelas acesso à criação cultural e à expressão artística, na prática, lhes oferecem  um campo em que podem exercitar a própria subjetividade e expressividade, mostrando-se, inventando-se como pessoas,  ante olhares atentos e respeitosos de audiência, que os valorizam pela mera atenção que prestam. Tudo isso é simplificado se uma câmera acende sua luzinha, anunciando que, atrás de si, está presente um auditório virtual ilimitado(...) A luzinha representa atenção em si mesma. Esta atenção valoriza quem se sente ninguém, que se sente invisível. Ela ilumina a alma e alimenta um saudável narcisismo, que nada tem a ver com fetiches das celebridades de um mercado inatingível. Fica faltando o afeto? É verdade. Mas a atenção é uma forma tosca de afeto. Um primeiro passo.
(Rasga coração, por Luís Eduardo Soares, p. 281 a 286)

sábado, 23 de julho de 2011

Mais uma se despedindo de nós


Poxa! Juro que não queria falar seguidamente de morte
Mas hoje mais uma mulher(zaça) morreu
ou sei lá se foi hoje, ou ontem
e vou dizer de novo que estou passada a ferro!
ainda não me destraumatizei da morte da kelly Cyclone e venho preparando um post de análise sobre isso
quando de repente as antenas do facebook me informam que Amy Winehouse não vive mais junto a nós
Uma das poucas músicas que se destacavam na nossa vazia contemporaneidade
Vai bem Amy! Encontre todos os meus ídolos que estão lá!
Ah! Quero pedir encarecidamente que as gata se cuidem que não quero noticiar mais a morte de nenhuma!!!
Eu vou fazer a minha parte pra ir só daqui alguns anos

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Kely Cyclone morreu


Amanheço hoje com uma notícia que me deixou triste
A kelly Cyclone morreu nessa madrugada do dia 18.
Uma morte cruel, diga-se de passagem
A moça causava diferentes tipos de sentimentos nos diferentes tipos de pessoas
O fato pode ter ocorrido por diversos motivos
Kelly também era acusada de algumas mortes
Talvez tivesse vários inimigos, assim com tinha milhares de fãs
Mas o que me deixa curiosa é o sentimento de ódio que algumas pessoas cultivavam por ela
E é o que me faz pensar que ela foi morta por uma dessas pessoas
sabe-se lá, não quero me meter nisso
Mas é que venho pesquisando a moça há alguns meses
E conhecendo-a, vendo-a, acabei também criando uma afetividade, admiração, sei lá
Era uma moça forte, a imagem, a personalidade
Louca, sim, vida louca.
Mas quantos vida loka chegaram ao alcance dela?
A gata saíu do raio da Bahía e foi longe
Então, espero que fiquem bem todos que agora sentem sua falta
Ela tinha um filhinho, gente!
Que o filho dela cresça na paz
Então, era só meu luto mesmo que gostaria de registrar nessa manhã de segunda feira

Gostaria também de contatos com pessoas que curtam Cyclone em Fortaleza pra contribuir com minha pesquisa.

sábado, 16 de julho de 2011

Cenografia na Barra

Não poderia deixar de mostrar por aqui o resultado do curso de cenografia que fiz no Cuca Barra com o teatcher Xico Aragão, um dos poucos profissionais da cidade que atua no campo de cenografia para museu.
E nós, no final tivemos a oportunidade de montar nosso cenário pra expor o resultado de outro curso, o de fotografia


Aí são meus coleguinhas montando a exposição - o Felipe Rafael e a Amanda Emily
E eu fotografando
E essa sou eu mostrando que ponho a mão na massa também


Aí a nossa equipe mostrando a coisa evoluindo e dando pista dar cor que escolhemos pra fugir do óbvio


Aí a entrada - fizemos um espaço fechado que lembra ao espaço escolhido para o registro das imagens - o Passei Público de Fortaleza
E a exposição se intitula "No Passeio do Olhar", 
com curadoria do Paulo Amoreira
Ficha técnica e nossa fotinha com a dos alunos de fotografia


Abertura com fala do Paulo Amoreira

E aí mostrando a nossa ideia do banco no meio da exposição, pra lembrar mais ainda o espaço Passeio Público.
E esse cara sempre querendo aparecer
 Nós assinando

E nós posando

A exposição tá rolando lá no Cuca Barra do Ceará e vai até o dia 7 de Agosto
E hoje tem show do Jorge Ben!



domingo, 3 de julho de 2011

Férias no Ceará

Titio Cid criou vergonha e decidiu proporcionar uma programaçãozinha de férias decente pra nós!
Gil, Jorge Ben, Lulu Santos, Roberta Sá... bacaninha bacaninha!
Olhaí:

30/06/11 – Gilberto Gil – Juazeiro do Norte (Banda de abertura: Geração Ypsilone )

02/07/11 – Gilberto Gil – Fortaleza (Banda de abertura: Monomotor)
04/07/11 – Gilberto Gil – Sobral (Banda de abertura: Zero 85 )
05/07/11 – Gilberto Gil – Canindé (Banda de abertura: Eletrocactus)
07/07/11 – Roberta Sá – Crato (Banda de abertura: Coda)
09/07/11 – Roberta Sá – Fortaleza (Banda de abertura: Reite)
10/07/11 – Cidade Negra – Tianguá (Banda de abertura: Edinho Vilas Boas)
14/07/11 – Jorge Ben – Barbalha (Banda de abertura: Monomotor )
15/07/11 – Jorge Ben – Morada Nova (Banda de abertura: SoulPop)
16/07/11 – Jorge Ben – Fortaleza (Banda de abertura: Verona)
17/07/11 – Jorge Ben – Crateús (Banda de abertura: Groovytown)
19/07/11 – Artur M. Lima – General Sampaio (Banda de abertura: Estrela da Serra)
20/07/11 – Artur M. Lima – Groairas (Banda de abertura: Estrela da Serra)
21/07/11 – Artur M. Lima – Graça (Banda de abertura: Estrela da Serra)
21/07/11 – Cidade Negra – Campos Sales (Banda de abertura: Locomotiva)
21/07/11 – Vanessa da Mata – Mauriti (Banda de abertura: Outdoor )
22/07/11 – Vanessa da Mata – Russas (Banda de abertura: Inbeats )
22/07/11 – Cidade Negra – Tauá (Banda de abertura: Dona Zefa)
23/07/11 – Cidade Negra – Maranguape (Banda de abertura: Dona Leda)
23/07/11 – Vanessa da Mata – Camocim (Banda de abertura: Zonazul)
23/07/11 – Seu Jorge – Cascavel (Banda de abertura: Arsenic)
24/07/11 – Vanessa da Mata – Caucaia (Banda de abertura: Groovytown)
24/07/11 – Seu Jorge – Quixadá (Banda de abertura: Código de Barras)
27/07/11 – Artur M. Lima – Croatá (Banda de abertura: Estrela da Serra)
28/07/11 – Artur M. Lima – Poranga (Banda de abertura: Estrela da Serra)
28/07/11 – Zélia Duncan – Pacajús (Banda de abertura: The Dillas)
28/07/11 – Lulu Santos – Brejo Santo (Banda de abertura: O Verbo)
29/07/11 – Lulu Santos – Tamboril (Banda de abertura: Reite)
29/07/11 – Artur M. Lima – Monsenhor Tabosa (Banda de abertura: Estrela da Serra)
29/07/11 – Zélia Duncan – Iguatu (Banda de abertura: Verona)
30/07/11 – Zélia Duncan – Fortaleza (Banda de abertura: Inbeats )
30/07/11 – Lulu Santos – Ubajara (Banda de abertura: Zero 85)
31/07/11 – Lulu Santos – Pacatuba (Banda de abertura: SoulPop)
31/07/11 – Zélia Duncan – Ipú (Banda de abertura: Vitalize) 
Do blog festas fortaleza 
http://www.festasfortaleza.com.br/calendario/ferias-no-ceara-fortaleza-e-interior-julho/